sábado, 26 de março de 2016

Jung

"A grande infelicidade de nossa cultura é o fato de sermos estranhamente incapazes de perceber os nossos próprios sentimentos, quer dizer, sentir as coisas que nos dizem respeito. Vemos com tanta frequência pessoas passarem por cima de acontecimentos ou experiências sem perceberem o que de fato ocorreu com elas. Pois não percebem que têm uma reação de sentimento. Na maior parte das vezes sentem apenas o que chamamos de afeto, uma emoção acompanhada de sintomas fisiológicos colaterais. Quer dizer: uma atividade cardíaca aumentada, uma respiração acelerada, fenômenos motores - é isso que sentem. Mas quando se trata de uma reação de sentimento, muitas vezes nem  o percebem, pois a reação de sentimento não vem acompanhada de fenômenos psicofísicos." Jung 1959

quinta-feira, 10 de março de 2016

Café com os amigos da faculdade

Essa foto que posto hoje é muito importante para mim. Primeiro por que nela estão amigos que trago no meu coração. Segundo por que são colegas que admiro pela força e dedicação para com nossa faculdade de Psicologia. Uma vez por mês nos encontramos em algum café da cidade de Porto Alegre para podermos papear, jogar conversa fora, falar de nosso futuro, planejar estudos e outras coisas que a camaradagem nos permite. Sim, nós nos encontramos todos os dias na faculdade, porém, encontrar os amigos e colegas fora da faculdade é muito importante. É importante primeiro para a manutenção da saúde psíquica, pois não ficamos restritos somente ao âmbito da faculdade, que é maravilhoso, mas não é tudo. Temos de arejar os ambientes, encontrar novos espaços. E, lembrando que o meio também influencia o indivíduo, dentro da faculdade temos uma postura, fora dela, num café por exemplo, temos outra completamente diferente. Encontrar os amigos fora do ambiente acadêmico faz um bem danado para nosso coração, reforça muito os laços de confiança e amizade, estimula a termos conversar que dentro da academia não teríamos tempo nem oportunidade, nos dá liberdade e nos permite, no final de tudo, crescimento, pessoal e coletivo. Portanto fica a dica: pegue seus amigos e os leve para um café eventual. Vale muito a pena. Na foto: Jack Pitel Lopes (o homem dos olhos coloridos), Felipe Navarro (o cabeludo) e eu - (o sorriso enigmático). Tinha que estar na foto também o Luiz Guedes Soriano, mas ele dormiu mais que devia. Amigos queridos que amo e com quem desejo caminhar ombro a ombro.

domingo, 6 de março de 2016

Plutarco

Nada menos que Plutarco. E, melhor de tudo, esta é a primeira edição em língua portuguesa desta obra. Raridade perfeita... "precioso" E essa é a vida de um estudante, sempre garimpando livros, sejam de sua área ou não de estudos ou não. O importante é nunca para, ler sempre; Quanto mais leitura você adicionar à sua bagagem cultural, maior serão as chances de você se destacar por um trabalho humano bem feito e bem embasado, com bases culturais concretas e firmes. O melhor da literatura é que cada livro que eu abro, me leva num universo nunca antes esperado ou visto. Cada livro é um verdadeiro portal para uma dimensão fora da realidade costumeira. Não, não é uma fuga dessa realidade, é sim material para enriquecer mais ainda minha participação nessa vida nossa de cada dia. 

Este livro do Plutarco adquiri por um preço tão irrisório que nem vou falar aqui para não passar vergonha. Mas mesmo edições novas são baratas de comprar. Agora, a verdade é que um volume desses não tem preço.