sexta-feira, 20 de março de 2015

Livro - trechos.

“Fui envolvida por uma extraordinária força de amor e me tornei bastante ciente, como aconteceu em Delfos e em outras partes da Grécia, de que os deuses ainda vivem, e o poder que geraram está adormecido, esperando apenas ser invocado.”

“O poder que utilizo é muito primitivo e deve ser manipulado com inteligência. Devo usá-lo com respeito e ter cuidado para não ir além da minha capacidade.”

“Fico feliz por ser feiticeira e nunca considerei essa condição uma desvantagem em minha vida. Sinto enorme prazer quando meus esforços mágicos produzem efeitos benéficos na vida de alguém, trazendo-lhe mais felicidade e plenitude. Hoje sinto-me feliz por ter desenvolvido meu grau de percepção psíquica muito cedo e pelo seu crescimento ao longo de todos esses anos.”

“O critério para julgar se uma pessoa é ou não feiticeira, em minha opinião pessoal, depende do fato de ela poder trabalhar com magia. Todos os outros talentos psíquicos constituem bônus adicionais. Acho que a maioria das pessoas possui habilidades psíquicas latentes, que podem ser desenvolvidas, se houver dedicação de trabalho, tempo, paciência e perseverança, mas não é o que todo mundo quer fazer.”

“Nossos objetivos é alcançar nossa capacidade máxima e nunca, de modo algum, aceitar as limitações do mundo material ou do corpo físico, mas lutar sempre para atingir os estados da experiência transcendental e a identificação com os deuses.”


“A Arte não existe para converter as pessoas na crença da Deusa, mas proporciona àqueles que já a conhecem acesso ao Seu poder secreto e à capacidade para utilizá-lo, junto à oportunidade de reconhecê-La e adorá-La.”

Entrada do Outono.

Na mitologia grega, Core é raptada por Hades que a leva para o mundo subterrâneo. Lá embaixo, ela se transforma em Perséfone, a rainha do mundo subterrâneo. Sua mãe, Deméter, triste pela partida da filha, faz a terra ficar estéril e sem vida. Assim inicia-se o outono e o inverno no mundo.