sábado, 29 de novembro de 2014

Mitos à luz da Psicologia Analítica

Estudando para a prova de psicologia analítica: Contos de Fadas e Mitos à luz da Psicologia Analítica (psicologia junguiana). Para Jung, todos os mitos e contos de fadas possuem um mesmo tema central: a busca pela totalidade psíquica. Como não me apaixonar? Aproveitem bem o sábado de vocês, pois eu estou em casa estudando... Mais 04 provas pra semana!

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Agnus Sei


Teatro, Psicologia e Dionísio


Intervenção teatral no curso de Psicologia. Cadeira de Ciências Sociais Aplicadas à Saúde. O Teatro nasce em honra a Dionínio, nasce das Orgias gregas, onde a fertilidade do deus era solicitada para se pedir  boas colheitas e agradecer às colheitas fartas das últimas estações. No meu entendimento, o Teatro é a parte prática de tudo o que vemos em teoria no curso de Psicologia e,  creio, todo curso de Psicologia deveria ter uma cadeira de expressão corporal. Digo isso por que os alunos de Psicologia entram e saem do curso com o corpo completamente rígido e "embrulhado via embratel, engomadinho, almofadinho", como se isso fosse o normal. Como disse um professor outro dia, tu só consegue levar teu paciente até onde tu conseguiste ir, então, tu precisa necessariamente estar à frente do paciente e da sociedade como um todo. E só se consegue isso indo além dos nossos próprios limites, mentais e corporais. O trabalho com o Teatro leva o indivíduo a romper várias barreiras mentais, emocionais, físicas, corporais. Em alguns alunos vemos muita rigidez em várias áreas de seu desenvolvimento. Por mais belas que sejam as teorias, se ele não por o corpo em movimento, em prol da construção da profissão de psicólogo, ele corre o risco de machucar-se no caminho e ser jogado para longe dele. Ou seja, deixemos Dionísio nos conduzir em sua loucura que trás vida, amor, superação e pulsão de vida!

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Babette, como não amá-la?

Primeira paciente de Jung. Como não amá-la?

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Arquétipo de Proteção

Uma oração, antiga, já do período de influência católica sobre o mundo. No entanto, ela evoca um poder de proteção e força muito antigos. Podemos ver estas mesmas manifestações de força e poder no Arcano nº VIII do Tarô, A Força. Também vemos no velho testamento o Arcanjo Miguel matando o Dragão. O próprio São Jorge matando um dragão. Estes símbolos mostram tão somente a mente racional destruindo ou controlando as paixões, as forças mais primitivas da alma para que o ser possa seguir em frente com seu caminho evolutivo de modo seguro. Evocar a luz para controlar as trevas e não para destruí-las. De qualquer modo, hoje, de tanto que tentamos negar a sombra, destruí-la e separá-la de nós, eis que surgem várias pessoas, no mundo todo, com acessos de loucura, surtos e complexos de todo tipo. Este é Dionisio com suas bacantes exigindo novamente seu lugar no meio de nossa sociedade. Ele, Dionisio que é vivido apenas na escuridão das casas de orgia, nas vielas onde se consomem as drogas, nos guetos onde a batucada marginalizada é vivida pelos jovens sedentos de vida, nos bares repletos de bêbados desiludidos com a vida... Não, Dionisio não é apenas um deus da escuridão ou das trevas. Ele é uma potência de vida, que trás a vida para nós. Colocar as baixas paixões a serviço de nossa evolução sim, tentar arrancá-la de nós jamais. Foi justamente isto o que criou esta sociedade completamente descentralizada de si mesma e de sua essência.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Vamos passear no parque II

E, mesmo passeando no parque para relaxar a cabeça e ver os amigos músicos, vou caminhando pelos sebos (lojas de livros usados) e pessoas que vendem artesanatos e antiguidades pelo longo do parque. Eis que, sem esperar, me deparo com este livro super especial. Você sabe que os Deuses da Sabedoria estão abençoando seus estudos quando você, num passeio super despretensioso pelo Brique da Redenção acha, sem nem esperar, o livro que você vai usar não só no semestre, mas no curso todo! E o melhor, por um precinho que cabe no bolso! Então, como eu digo, estudar é bom, mas é importante também sair um pouco da rotina da faculdade para olhar a vida ao seu redor. Vai que você perde coisas importantes que estão acontecendo ou que a vida tem a lhe ofertar?

Vamos passear no parque?

Estudar é maravilhoso e importante para nossa formação. Mas não só isso, caso contrário podemos ficar alienados e malucos de tanto ler. Domingo, passeando pelo Parque da Redenção aqui em Porto Alegre, encontrei estes dois amigos, que faziam um som maravilhoso e super harmônico. Passear pelos nossos parques nos reservam momentos únicos. Viva, respire e, depois, volte a estudar!

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

A Luz

"A visita da Luz não é apenas um bom sinal, é um ótimo sinal, pois mostra que eles estão contigo e desejam esta ligação novamente. Eles nunca deixaram de ficar ao teu lado, foste tu que deixaste de percebê-los, apenas isto. Tu só tens de permitir novamente, sem fazer força. Mas claro, tua ligação com eles não será mais tão ingênua como foi quando tu brincavas de bonequinhos de plástico! Agora és um homem e precisa ser iniciado nos mistérios dos deuses de um novo jeito, pois o modo de eles se conectarem contigo passa agora naturalmente por um nível acima daquele de antigamente, pois tu já tens condições de compreender um mundo mais complexo (se bem que mais simples) do que aquele que te apresentavam quando eras pequeno. Tudo vai ser mais profundo. A questão é, o quanto tu vais permitir que seja profundo?"

Regiões da Memória


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Antropofagia Cultural



































Esta foi a capa que eu fiz para esta aula que foi muito especial e mexeu com emoções profundas em nós.

Antropogafia II

















Estudantes do curso de Psicologia, cadeira de Ciências Sociais Aplicadas à Saúde. No fundo nosso Mestre, prof. Leonardo Garavelo. Eduardo Engers, eu e Anderson Bernardo.

Antropofagia Cultural


 

domingo, 9 de novembro de 2014

Sete Sermões aos Mortos

"Este é um Deus do que vocês nada sabíeis, pois os homens esqueceram-no. Denominamos o seu nome: ABRAXAS.

 É ainda mais indeterminado: Deus e Diabo. Para diferenciar Deus dele, chamamos-lhe Deus Helios ou Sol.

Abraxas é acção, frente a ele não há nada senão o irreal, por isso a sua natureza ativa desliga-se livremente.

Abraxas está acima do Sol e acima do Diabo...

Se o Pleroma tivesse uma essência, Abraxas seria a sua manifestação... É força, duração, transformação.

Os mortos avançaram entre o nevoeiro através dos pântanos e gritaram: Fala-nos mais sobre o supremo Deus!

Abraxas é um Deus dificilmente reconhecível, o seu poder é o supremo, pois o homem não o vê.

Do Sol vê o Summum Bonum, do diabo e o lnfinitum Malum, de Abraxas. No entanto, a Vida indeterminada em todos os aspectos é a mãe do bem e do mal.

A vida parece ser mais pequena e mais débil que o Summum Bonum, razão pela qual resulta difícil pensar que Abraxas supere inclusive em poder do Sol, que é a fonte iluminadora de toda a força da própria vida.

Abraxas é o Sol e, ao mesmo tempo, o abismo eternamente criado pelo Vazio, do Diabo.

O poder de Abraxas é ambivalente. Vocês não o vêm pois os vossos olhos estão opostamente orientados pelo que este poder deixa de o ser.

O que Deus Sol diz é vida.

O que diz o Diabo é morte.

Abraxas, no entanto, a palavra digna e condenada, é ao mesmo tempo vida e morte. Abraxas produz verdade e mentira, bem e mal, luz e trevas na mesma palavra e no mesmo ato.

Por isso Abraxas é temível. É soberbo como o leão no instante em que vence a sua vítima. É belo como num dia de primavera. É o cheio quando se une ao vazio. É a cópula sagrada, é o amor e seu homicídio, é o santo e seu traidor. É a mais clara luz do dia e a mais profunda noite do absurdo.

Vê-lo significa cegueira, conhece-lo significa doença, rezar-lhe significa morte, teme-lo significa sabedoria, não se opor a Ele significa salvação.

Deus vive por trás do Sol, o Diabo vive por trás da noite.

O que Deus engendra a partir da luz, o Diabo o arrasta à noite. Mas Abraxas é o mundo, o seu devir e deixar de ser mesmo.

A cada oferenda ao Deus Sol, o Diabo apresenta a sua maldição. Todo quanto solicitais do Deus Sol, produz um ato do Diabo. Todo quanto creiais com Deus dá ao Diabo poder de atuação.

Este é o terrível Abraxas...

Quando o grande mundo se torna frio, a estrela alumia. Não há nada entre o homem e o seu Deus, quanto ao homem pode separar o seu olhar do espectáculo flamejante de Abraxas...

Aqui homem, ali Deus. Aqui debilidade e ausência, ali eterna força criadora. Aqui escuridão total e frio húmido, ali Sol pleno.”

Carl Gustav Jung

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Nus

Bom dia a todos que estão se desnudando. Bom dia a todos que estão deixando as máscaras caírem, as personas velhas irem embora, o sistema ser largado fora. Bom dia a todos que estão se tornando seres universais ao deixarem as roupas culturais, as roupas opressoras, condicionantes e católicas serem levadas embora pelas águas dos rios da verdade. Bom dia a todos que estão perdendo a vergonha na cara, já que a vergonha na cara foi imposta por uma cultura religiosa opressora, frustrante e cínica. Bom dia a todos que estão se tornando livres em toda a beleza de sua alma!

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

As Bacantes - Eurípides










Evoé!
Do solo escorre leite,
escorre vinho, escorre das abelhas o néctar!
Tal um vapor de incenso da Síria,
o sacerdote de Baco empunhando
a ardente chama no topo da vara
de pinheiro, incita
à corrida, e às danças
quem anda errante impele,
com seus brados estimula,
os delicados cabelos flutuando ao vento...
Quem me dera ir para Chipre,
de Afrodite a ilha,
lá onde reinam, do coração dos mortais
sedução, os Amores!

Ou a Pafos, a quem as correntes
de cem embocaduras do bárbaro rio,
em lugar das chuvas, fertilizam!
Ou ao mais aprazível sítio,
a Piéria, das Musas morada,
do Olimpo sacra vertente!
Conduz-me para lá, ó Brómio, Brómio,
o deus Evoé, das Bacanais o arauto!
Lá estão as Graças!
Lá está o Desejo! Lá, às Bacantes
as orgias é dado celebrar!