quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Todo Simbolismos Histórico e Pagão do Natal



A Festividade Pré-Cristã do Solstício de Inverno no Hemisfério Norte (Natal) é a noite mais longa do ano, marcando a época em que os dias começam a crescer, e as horas de escuridão, a diminuir. Nesta época, as povos antigos festejavam o renascimento do sol e o tempo de glorificar o Deus Cornífero. (O aspecto do Deus invocado nesse Sabá por certas tradições antigas é Frey, o deus escandinavo da fertilidade, deidade associada à paz e à prosperidade.) Nessa época, que hoje é conhecida como Natal, eram  também celebrados o amor, a união da família e as realizações do ano que passou. Nessa Antiga Festividade Pagã, as comunidades davam adeus à Grande Mãe e as boas vindas ao Deus das Florestas, renascido, que governa a "metade escura do ano". Nos tempos antigos, o Solstício de Inverno correspondia à Saturnália romana (17 a 24 de dezembro), a ritos de fertilidade pagãos e a vários ritos de adoração ao sol. Os costumes modernos que estão associados ao dia cristão do Natal, como a decoração da árvore, o ato de pendurar o visco e o azevinho, queimar a acha de Natal, são belos costumes pagãos que datam da era pré-cristã. (O Natal, que acontece alguns dias após o Solstício de Inverno e que celebra o nascimento espiritual de Jesus Cristo, é realmente a versão cristianizada da antiga festa pagã da época do Natal.) A queima da acha de Natal originou-se do antigo costume da fogueira de Natal que era acesa para dar vida e poder ao sol que, pensava-se, renascia no Solstício de Inverno. Tempos mais tarde, o costume da fogueira ao ar livre foi substituído pela queima dentro de casa de uma acha de madeira e por longas velas vermelhas gravadas com esculturas de motivos solares e outros símbolos mágicos. Como o carvalho era considerado a Árvore Cósmica da Vida pelos antigos druidas, a acha de Natal é tradicionalmente de carvalho. Algumas tradições antigas usam a acha de pinheiro para simbolizar os deuses agonizantes Attis, Dionísio ou Woden. Antigamente as cinzas das madeiras das fogueiras de Natal eram misturadas à ração das vacas, para auxiliar numa reprodução simbólica, e eram espargidas sobre os campos para assegurar uma nova vida e uma Primavera fértil. Pendurar visco sobre a porta é uma das tradições favoritas do Natal, repleta de simbolismo pagão, e outro exemplo de como o Catolicismo moderno adaptou vários dos costumes antigos da religião Antiga dos Pagãos.

O visco era considerado extremamente mágico pelos druidas, que o chamavam de Árvore Dourada. Eles acreditavam que ela possuía grandes poderes curadores e concedia aos mortais o acesso ao Submundo. Houve um tempo em que se pensava que a planta viva, que é, na verdade, um arbusto parasita com folhas coriáceas sempre verdes e frutos brancos revestidos de cera, era a genitália do grande deus Zeus, cuja árvore sagrada é o carvalho. O significado fálico do visco originou-se da ideia de que seus frutos brancos eram gotas do sémen divino do Deus em contraste com os frutos vermelhos do azevinho, iguais ao sangue menstrual sagrado da Deusa. A essência doadora de vida que o visco sugere fornece uma substância divina simbólica e um sentido de imortalidade para aqueles que o seguram na época do Natal. Nos tempos antigos, as orgias de êxtase sexual acompanhavam frequentemente os ritos do deus-carvalho; hoje, contudo, o costume de beijar sob o visco é tudo o que restou desse rito.

A tradição relativamente moderna de decorar árvores de Natal é costume que se desenvolveu dos bosques de pinheiro associados à Grande Deusa Mãe. As luzes e os enfeites pendurados na árvore como decoração são, na verdade, símbolos do sol, da lua e das estrelas, como aparecem na Árvore Cósmica da Vida. Representam também as almas que já partiram e que são lembradas no final do ano. Os presentes sagrados (que evoluíram nos atuais presentes de Natal) eram também pendurados na árvore como oferendas a várias deidades, como Attis e Dionísio. O outro exemplo das raízes pagãs das festas do Natal está na moderna personificação do espírito de Natal, conhecido como Santa Claus que foi, em determinada época, o deus pagão do Natal. Para os escandinavos, ele já foi conhecido como o "Cristo na Roda", um antigo título nórdico para o Deus Sol, que renascia na época do Solstício de Inverno. Colocar bolos nos galhos das macieiras mais velhas do pomar e derramar sidra como uma libação consistiam num antigo costume pagão da época do Natal praticado na Inglaterra e conhecido como "Beber à Saúde das Árvores do Pomar". Diz-se que a cidra era um substituto do sangue humano ou animal oferecido nos tempos primitivos como parte de um rito de fertilidade do Solstício de Inverno. Após oferecer um brinde à mais saudável das macieiras e agradecer a ela por produzir frutos, os fazendeiros ordenavam às árvores que continuassem a produzir abundantemente. Os alimentos pagãos tradicionais do Sabá do Solstício de Inverno são o peru assado, nozes, bolos de fruta, bolos redondos de alcaravia, gemada e vinho quente com especiarias.

Fontes Consultadas:

Gerina Dunwich – Wicca – Feitiçaria Moderna
Márcia Frazão – Revelações de Uma Bruxa
História da Feitiçaria - Stewart Farrar E Janet Farrar

 

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Saint Germain - O que não levar no despertar

Duas coisas. Duas coisas pra não levar no despertar na Nova Era.

Número um. Provavelmente, vocês podem adivinhar essa – Dúvida. Não funciona muito bem na consciência avançada. Realmente, não funciona. É um jogo estúpido. Dúvida é uma coisa vibracional da Velha Energia. “Vou me respeitar, vou duvidar de mim. Vou me respeitar, vou duvidar de mim. Ele me ama, ele me odeia.” Vocês meio que usam isso como um jogo pra manter as coisas em movimento, mas duvidar não parece algo muito bom na Nova Energia. Será banido. Será rejeitado, e daí vocês vão dizer: “Viu, eu sabia que eu fazia algo errado.” É uma profecia de autorrealização. Não faz sentido, não traz resultado duvidar de si, exceto continuar duvidando. Então, passem por cima da dúvida. Sério. É talvez a coisa mais importante que posso transmitir a vocês. A dúvida não funciona.

Intimamente ligada a ela... Makyo, (Bobajada espiritual). Por que as pessoas – por que alguns de vocês – precisam de makyo? Porque duvidam de si. Sabem o que vocês fazem quando duvidam de si mesmos? Vocês aparecem com toda essa besteira espiritual. Vocês aparecem com todos esses clichês, esses dizeres e essas... Tudo bobagem! E vocês se dizem espirituais. Vocês não são!

Espiritual é algo tão velho. É, sim. Era apenas uma desculpa ruim pra ficar na mente e se considerar melhor que os outros, porque, afinal, vocês duvidavam mesmo era de si. Não cai bem em vocês.

Eu me enchi, no decorrer de existências, dos líderes espirituais, da masturbação espiritual, da orientação espiritual errônea. Por que será que ninguém chegou e simplesmente disse às pessoas “vocês são Deus também”? É isso. Ponto final. Feito. Vocês são. Vocês sabem disso.

E vira coisa mental. Sim, vira uma coisa da mente toda essa jornada espiritual. A mente transforma isso num grande mistério. Não é. Não é. Mistério é simplicidade, de fato. Deus é simples. Deus é puro. Não tem nada de complexo sobre Deus. Simplicidade. Isso é Deus. É isso.


O que acontece agora, e o que será como um fator pra vocês, é que, de repente, vocês percebem que não puderam ter vivenciado todos os potenciais de tudo que seria, porque vocês chegariam a um ponto – digamos que seja o ponto do Eu Sou e da Nova Energia se fundindo – onde existem potenciais que poderiam nunca ter sido imaginados por vocês ou por Deus, jamais. Potenciais novíssimos em folha que nunca existiram antes. Vocês tiveram que se desestruturar para abrir espaço pra alguns desses potenciais que nunca foram imaginados, nem mesmo no coração dos corações de Deus.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

A Mente Humana - Saint Germain 10-2013

A mente é muito programada. Pra começar, ela é altamente suscetível à programação. São muitas existências – muitas, muitas existências – de programação, doutrinação, constantes informações, regulamentos e regras que vão para a mente.

A mente foi amarrada à consciência de massa. A consciência de massa, na maior parte das vezes, não faz nada além de governar, ordenar, controlar e manipular as atividades mentais dos humanos. A consciência de massa.

Agora, vocês pensam na consciência de massa como se fosse talvez algo grandioso. A consciência de massa está, no momento, trabalhando com seus tentáculos em cada humano da Terra, interligado a outro humano, que está, agora, sendo infiltrado por Ets; portanto, o controle, a manipulação acontece de forma muito intensa.

As pessoas estão hipnotizadas, totalmente hipnotizadas, e cada um de vocês sabe disso e sente isso. Há uma parte de vocês que há anos vem se rebelando contra isso. Desde que vocês vieram pra cá pra Terra, nesta existência, uma parte significativa de vocês tem se rebelado contra isso. Tem sido assim por muitas, muitas existências.

Anos atrás, Tobias falou sobre liberar a consciência de massa, então, vocês colocaram em movimento os mecanismos pra começar a fazer isso. Mas vocês chegam a um ponto que é preciso... não é bem o termo certo... mais vigor, mais determinação, mais escolha pra sair dessa consciência de massa (matrix) e da própria prisão mental. Da própria prisão mental. É um beco sem saída.

O exemplo foi este... se não sabem bem como é um beco sem saída... o exemplo que usei na outra noite: Vocês trabalham num edifício, digamos num edifício de 20 andares, altamente seguro, com pouquíssimas janelas. Tudo no prédio é controlado, desde o fluxo de ar até o fluxo de energia, de água, quem entra e quem sai.

Isso é um beco sem saída espiritual, um beco sem saída mental-espiritual. Vocês estão tentando encontrar um meio de sair dessa limitação. Está tudo centralizado na mente. Vocês estão tentando sair disso. Vocês sabem que existe algo mais lá fora. Vocês sabem que existem outras dimensões bem aqui – aqui – ao redor. Vocês sabem. Vocês querem acreditar. Vocês ficam fazendo afirmações e elas não valem nada. Afirmações são mentais. Todas essas cerimônias, afirmações, cânticos... tudo isso é tão terrivelmente mental. É uma piada! Uma piada pra cima de vocês. Vocês acham que se alinharem os cristais de determinado modo, se ficarem em pé do lado de fora quando as estrelas estiverem alinhadas... o que quer que seja é uma droga de piada. Não tem nada de espiritual nisso. É mental. É uma coisa mental que finge ser espiritual, e vocês caem nessa. Diabos, vocês criaram muitas dessas coisas!

Esse edifício representa a mente de vocês: altamente regulada, contida por dentro e por fora, excessivamente controlada. Não por forças externas maléficas, mas pela sequência de eventos que estão acontecendo no planeta. Ninguém está, de fato, controlando essa consciência de massa. Somente vocês controlam o próprio cérebro, mas vocês tentam sair dessa prisão mental. Vocês tentam sair da prisão da mente usando ferramentas da mente. E, quando disseram antes que estavam quase lá, quando você disse que estava à beira de, esse é outro jogo mental. A mente se adapta a isso com rapidez e diz: “Vamos ficar ‘à beira de’ o tempo inteiro.” Uau! A mente ainda está no controle.

Pensar, simplesmente explorar potenciais e não trazê-los para a Terra – é tudo coisa da mente. Tudo coisa da mente. Vocês tentam sair da mente, ou ir além da mente, usando ferramentas que a própria mente criou. E vocês não conseguem. Essas ferramentas foram criadas de maneira inteligente e só vão afundá-los ainda mais. Nunca trazê-los à superfície. Elas só vão enterrá-los mais fundo.

Desse modo, sua mente é uma piada, porque agora ela tem vocês nas mãos. Ela vai pegar todo aquele negócio de: qual é seu número sagrado? Qual é seu... vocês me desculpem... seu signo? Astrologia tem valor até certo ponto – fui professor de Astrologia na minha vida como Saint-Germain –, mas, na maior parte das vezes, agora, os humanos estão usando-a de maneira inadequada, e é por causa da mente. É a mente. As pessoas acham que é uma ferramenta pra se libertarem, pra saírem da prisão mental. Mas é a mente rindo e dizendo: “Vou ficar com você, queridinho. Você não vai sair. Não vai a lugar nenhum.” E, vejam bem, não importa o que seja, não estou falando de uma coisa específica, mas, até certo ponto, a mente fica lá, se agarra a isso, manipula e usa isso pra levar as pessoas mais para o fundo.

Vocês viram o filme... tenho certeza de que muitos de vocês viram; é o filme de vocês... MatrixMatrix representa demais esse vai e vem, essa estrutura, essa ilusão.

Então, a pergunta é, em algum momento... a propósito, não há nada de errado com a mente. Esse é o modo como ela foi programada e manipulada. Em sua essência, não há nada de errado. Ela é fantástica. Ela é maravilhosa.

Então, a pergunta passa a ser: Como vocês vão além dela?


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Prosperidade e Espiritualidade

Essa questão de prosperidade mexe muito com as pessoas, especialmente as espiritualizadas. Chegam a ficar revoltadas quando o assunto dinheiro é abordado dentro de centros da espiritualidade. Isso demonstra os próprios bloqueios que estes indivíduos ainda possuem com relação ao alcance da riqueza, além de falta da maturidade espiritual para tratar do assunto, agem como se isso fosse algo ruim, tenebroso e que precisa ser combatido ferozmente. E acabam mantendo outros na mesma situação. Até mesmo houve-se que não há riqueza para todos na Terra. Esta informação é desatualizada e incorreta, já que o mestre Ascensionado Saint Germain disse em várias canalizações que há riqueza para todos no planeta. Ele informou em alguns de seus comunicados que há locais na Terra onde há grande concentração de ouro e cristais, tudo isto disponível para uso imediato de toda a humanidade. Devemos lembrar que nos mundos superiores físicos nenhum ser vive em carência de seja lá o que for, pois os bens são distribuídos de modo igualitário para todos. Isso ainda não acontece na Terra não por que falte aqui bens materiais para todos, mas sim por que as pessoas vivem na sintonia do Egoísmo, não entendem o conceito da divisão igualitária de tudo. Falar que ter riquezas é mérito de alguns é vibrar na sintonia dos ensinamentos católicos, ainda é trabalhar com a questão da meritocracia, energias e conceitos velhos e que não tem mais espaço na Nova Era.

Uma pessoa ser pobre de bens materiais não quer dizer que ela seja espiritualizada, significa apenas ela não teve capacidade de estruturar sua vida material. Ser pobre não é mérito, é limitação e, talvez, incapacidade para gerar crescimento para si ou para a sociedade da qual faz parte. Há várias programações mentais, colocadas ao longo dos séculos e reforçadas pelas mídias para manter as pessoas neste estado de ser e isto tem de acabar agora, pois estamos na Nova Era e todos, por direito divino, tem de ser soberanos em todas as áreas da criação.

Abrindo-se Para a Prosperidade

É necessário liberar as memórias celulares de miséria, pobreza, limitação e culpa que temos trazido de várias vidas. E estou falando de memória celular, algo físico, algo que está entranhado em seu DNA. É preciso, ainda, reformular toda a programação mental e emocional que temos recebido deste o ventre materno através dos conceitos limitantes que foram transferidos para nós por nossos parentes. O trabalho com a Chama Violeta de Saint Germain já é um grande passo. Banhando-se com a Chama Violeta e pedindo a transmutação dessas memórias é um inicio. Porém não é tudo. É necessário trabalhar a nível espiritual e físico. Temos de reequilibrar as energias do chackra laríngeo. Exercícios de alongamento movimentos com a cabeça, com o pescoço ajudam e muito. Virar a cabeça para a direita e a esquerda, para cima e para baixo, erguer o queixo para o céu e alongar muito toda esta região é um modo físico de liberar os bloqueios a nível físico. Fazer exercícios que mexam com os ombros e as clavículas também ajuda. Fazer Biodança ajuda muito. Se não sabe como fazer procure um profissional de Educação Física para lhe orientar. Mudar o modo de entendimento da vida, alterando a consciência para uma visão maior e melhor da existência é um caminho. Entender que você não precisa de um emprego e sim de uma atividade que lhe dê prazer e como consequência lhe dê dinheiro é fundamental. Buscar fazer o que você gosta, de modo honesto, seguindo seu coração é a base de tudo.

Não permita-se passar uma vida toda num trabalho do qual você não gosta apenas para ganhar dinheiro. Isto é viver morto. Você não cria nada com isso, apenas está por aqui. Agindo assim você vai passar a vida apenas ganhando o suficiente para manter-se em sobrevivência. E aqui na Terra nós temos de começar a viver plenos de tudo o que é possível para viver bem e melhor. 

Lembre-se: você foi feito à imagem e semelhança de Deus, assim, você já é perfeito como Ele. Só precisa lembrar-se disso.