domingo, 28 de julho de 2013

O Centro

O Telescópio Espacial Hubble, da Nasa, captou uma imagem do centro da galáxia NGC 524, na constelação de Peixes, a 90 milhões de anos-luz da Terra. O registro foi divulgado pela agência americana na sexta-feira (26).

O objeto é do tipo lenticular (com formato de lente), um estado intermediário na evolução galáctica, entre os tipos espiral – como a Via Láctea – e elíptico, que tem forma esférica e pode ser resultante da união de duas galáxias espirais.

As galáxias espirais são um sistema estelar de meia-idade, com grandes braços ao redor que contêm milhões de astros. Junto com essas estrelas, existem grandes nuvens de gás e poeira que, quando estão muito densas, funcionam como uma espécie de "berçário" onde nascem novos astros.

A partir do momento em que todo o gás é esgotado ou perdido no espaço, os braços gradualmente desaparecem e o formato espiral começa a se enfraquecer.

Ao fim desse processo, o que resta é uma galáxia lenticular, um disco brilhante cheio de estrelas vermelhas, rodeadas por um pouco de gás e poeira. No caso da NGC 524, ainda há um movimento parecido com o das galáxias espirais, o que ajuda a explicar sua estrutura complexa.

sábado, 27 de julho de 2013

Netuno: Se ele muda, o que sobra para a Terra?

As mudanças de estações em Netuno

Observações do Telescópio Espacial Hubble em Agosto de 2002 mostraram que o brilho do planeta Netuno aumentou de forma significante desde 1996. 

O aumento no brilho se deve ao aumento na quantidade de nuvens observadas no hemisfério sul do planeta. 

Esse aumento pode ser devido a mudanças sazonais causadas por uma variação no aquecimento solar. 

Pelo fato do eixo de rotação de Netuno ser inclinado 29 graus com relação ao seu plano orbital, ele está sujeito a um aquecimento solar sazonal durante seu período orbital ao redor do Sol de 164.8 anos. 

Essa variação sazonal é 900 vezes menor do que a experimentada pela Terra, pois, logicamente, Netuno está muito mais longe do Sol. 

A taxa de mudança sazonal é muito mais lenta em Netuno pois ele leva quase 165 anos para dar uma volta ao redor do Sol.

Assim, a primavera no hemisfério sul leva algumas décadas. 

Impressionantemente, essa é a evidência de que Netuno está respondendo à fraca radiação solar que recebe. 

As imagens mostram isso e foram feitas pelo Wide Field and Planetary Camera 2 do Hubble.


*In english:


Changing Neptune Seasons

NASA Hubble Space Telescope observations in August 2002 show that Neptune's brightness has increased significantly since 1996. 

The rise is due to an increase in the amount of clouds observed in the planet's southern hemisphere. 

These increases may be due to seasonal changes caused by a variation in solar heating. 

Because Neptune's rotation axis is inclined 29 degrees to its orbital plane, it is subject to seasonal solar heating during its 164.8-year orbit of the Sun. 

This seasonal variation is 900 times smaller than experienced by Earth because Neptune is much farther from the Sun. 

The rate of seasonal change also is much slower because Neptune takes 165 years to orbit the Sun. 

So, springtime in the southern hemisphere will last for several decades! 

Remarkably, this is evidence that Neptune is responding to the weak radiation from the Sun. 

These images were taken in visible and near-infrared light by Hubble's Wide Field and Planetary Camera 2.

Fonte/Source:

http://www.wired.com/wiredscience/2013/01/space-photo-of-the-day-2?pid=7139

Crédito/Credit: 

NASA, L. Sromovsky, and P. Fry (University of Wisconsin-Madison)