sábado, 13 de fevereiro de 2010

Palavras de Preto-Velho



Os espíritos trabalhadores na linha de Umbanda, designados de pretos velhos, nos repassam constantemente uma lógica que infelizmente, nós encarnados ainda estamos demorando em aplicar. Dizem eles, com sua maneira peculiar e simples de expressão, que no “mundo dos mortos” não existe raça, cor ou credo que diferencie as almas ou crie fronteiras, o que existe é o homem de bem e o homem que desaprendeu de ser bom.Baseado nisso, nos falam das lágrimas que insistem em cair de seus olhos, pela arrogância dos homens e de suas religiões que acabam se distanciando de Deus, pela pretensão de se adonar d’Ele, impondo a “sua” verdade. As religiões ou os credos em geral, ainda existem por necessidade de nossos espíritos que se diferenciam na escala evolutiva, encontrando dentro de cada uma delas a melhor adaptação de “religar-se” ao Criador. O que fica desvalorizado aos olhos da Espiritualidade Superior é o combate que se trava entre os homens por questões religiosas como se vivessem em eterna disputa, chegando ao absurdo das ditas “guerras santas”.Por enquanto a humanidade percorre vários caminhos em busca dessa verdade, mas chegará o dia em que o Universalismo será pleno, então haverá um só rebanho para um só pastor. E como acontece no “andar de cima”, formaremos uma única corrente de trabalho, auxiliando a quem necessita, mostrando que a ferramenta mediunidade tem um só objetivo: - a caridade! Fora isso, tudo o mais fica por conta de nosso Ego.

Abaixo vao alguns ensinamentos ``toques`` trazidos por um destes queridos amigos espirituais:

Lá nos planos sutis, aonde vocês muitas vezes vão quando dormem, mas ao acordarem não se lembram, existe uma grande família espiritual a lhes esperar, velar e torcer por vocês. Quebrem a barreira vibracional com sentimentos e pensamentos elevados, levando seus corações até eles. Mate a saudade espiritual que existe dentro do seu peito. Deixe a intuição fluir. Os guias espirituais não são mestres intocáveis que vocês devem reverenciar, mas sim, são amigos de jornadas. Conheça - os, converse com eles, trabalhem juntos, mas sorriam e brinquem juntos também. Eles estão te esperando.

Mediunidade é coisa importante e séria, mas não diviniza nem inferioriza ninguém. Vocês sabem disso. Tem gente que pensa que ser grande médium é praticar fenômenos para “incrédulo ver”. Outros pensam que é se vestir todo com uma fantasia, “virar os olhos” e “rebolar” bastante. Não! Mediunidade é você trabalhar em parceria com os amigos do lado de cá para o bem de todos, apenas isso. Vocês complicam muito as coisas. Na verdade tudo é muito simples. Pense na manifestação das criancinhas durante um processo mediúnico. Existe algo mais simples e belo do que isso?

Parem de julgar a manifestação mediúnica ou a experiência do outro. Você pode até não concordar, mas caso para ele faça sentido, deixe. É dele! Isso lembra muito a postura daquele que não consegue fazer melhor e por isso mesmo vive a criticar e apontar o defeito dos outros. As experiências espirituais muitas vezes são de foro íntimo, cada um busca a sua. E cada um fique feliz com a sua! Aprendam também que a dedicação e o estudo ajudam muito. Mas o que realmente conta é o seu dia – dia, como pessoa comum, passando pelo crivo do grande mestre que é a vida. Não adianta nada estudar muito e praticar pouco, principalmente em relacao a humildade, tolerancia e amor.

Fazer caridade é muito bom. Se alem disso buscam esclarecer as pessoas, melhor ainda. Tem gente que acha que doando uma cesta básica de Natal ao desencarnar será “salvo”. Outros ainda se acham muito especiais e caridosos, verdadeiros missionários. Não caiam nessa bobagem. Saibam que, em verdade, ao auxiliar os outros vocês ajudam a si próprios. E quando fizer a caridade, também não apenas dê o peixe, ensine as pessoas a pescarem. “Caridade de consolação” ergue a pessoa, mas depois que ela já está de pé, está na hora de ensiná - la a andar, com a “caridade de esclarecimento”. Pensem nisso! Caridade faça sempre que surgir a oportunidade de auxiliar o irmão. Esclarecimento leve a todos os lugares, fazendo a sua aura brilhar e contagiando as pessoas com alegria e vontade de viver.

Trabalho em grupo é coisa séria, deve haver amizade, alegria, mas não é reunião social. Os guias escutam os seus pensamentos e não estão nada interessados em suas preferências físicas, nem em suas “paqueras” dentro do grupo. Tão pouco são cúmplices das fofocas, guerras de vaidade e ciúmes que existem dentro do mesmo. Um trabalho espiritual em grupo é uma benção e oportunidade única de evolução, tanto de encarnados como desencarnados. Aproveitem bem! Existe um montão de mestres esperando por vocês desse lado, mas muitas vezes eles não conseguem lhes amparar, afinal vocês não páram de pensar no “vizinho”, ou como a vida é difícil e injusta…

Os Orixás, os Mestres, os Anjos, os Devas, todos Eles amam a humanidade. Caso queiram fazer um ritual a algum Deles ótimo. Mas lembrem - se sempre: Vela acesa so tem valor se o coração estiver aceso antes. Caso contrário, não!

A energia de uma erva é poderosa e realmente cura, mas antes, suas próprias energias e o respeito com a vida vegetal devem ser grandes, caso contrário, é desperdiçio de tempo. Qualquer ritual de magia para o bem é lindo e bem quisto pela espiritualidade, mas não se perca no meio de muitos rituais e elementos e esqueca o essencial. O grande mestre da magia é o coração, e a grande força motriz é a sua mente. Lembrem - se disso.

Não sejam espiritualistas pela metade. Durante o dia vocês ficam pensando em espiritualidade, mas ao dormir, que é a grande hora onde o espírito se liberta do corpo físico, vocês não pensam em nada, ficam com preguiça e logo suas mentes são invadidas por um monte de coisas, adormecendo na mais perfeita desordem. No mínimo orem ao deitar - se. Agradeçam ao dia, coloquem - se a disposição de aprendizado, aproveitem as horas de sono. Elas são chaves de acesso ao crescimento espiritual. Meditem nisso.

Eu sou um preto - velho. Pouco importa minha forma ou meu nome. O que importa é que eu sou luz, como vocês e todos nós, filhos da Grande Luz. O sol de Oxalá* brilha em meu coração, no seu e em toda humanidade. Você ainda tem preconceito em relação a raças? A culturas diferentes? Religião? E julgam - se espiritualistas? Ora amigo, deixe disso! Lembre – se: todos viemos da mesma fôrma. A fôrma de Oxalá. Eu tenho apenas uma palavra para descrever o preconceito: ignorância!

Ignorância também são as paredes e preconceitos religiosos. Todos os mestres da humanidade pregaram o desprendimento, mas o que os seus seguidores mais fazem é ter o sentimento de posse em relação a Eles. E lá se vão guerras, ofensas e desarmonia entre uma religião e outra. E lá se vão discussões infindáveis entre doutrinas diferentes. Todos os caminhos levam a Deus, mas muitos acham que seu caminho é melhor do que dos outros, não é mesmo? Façam um favor a humanidade, meu filhos: Vão voando nas asas do universalismo ecumênico! E parem com essas bobagens…

Do lado de cá nós adoramos música. Ela rejuvenesce a alma, acorda o coração e desperta a intuição. Aproveitem as músicas de qualidade. Elas são ótimas e verdadeiro brilho e alimento para vossos espíritos. Também escutem a música que os espiritos superiores cantam secretamente dentro do coração de cada um. É a música da Criação, ela está em todos, mas só pode ser escutada quando a mente silencia e o coração brilha. Pensem nisso!

Pensem também na natureza. Coloquem uma música suave. Direcionem - se mentalmente a um desses sítios sagrados, verdadeiros altares vivos do amor de Olorum. Pensem na força curativa das matas, na força amorosa e pacificadora das cachoeiras, da limpeza energética que o mar traz ao espírito. Meditem neles. Isso traz sintonia, reciclagem energética e boa disposição. Façam isso por vocês e fiquem bem!

Por fim, dediquem - se mais ao autoconhecimento. Ele é muito importante. E um dia, mesmo que isso demore milênios, vocês se conhecerão tanto que realmente descobrirão sua natureza divina. Nesse dia, as cortinas da ilusão se abrirão e você verá o universo a sua frente. Não existirá mais Orun* (céu) nem Ayê* (mundo material). Nem eu nem você. Apenas Ele…Pai e Mãe Olorum dentro de nós mesmos!

Um Grande abraço

Pai Antônio de Aruanda e Fernando Sepe (escrito por duas mentes em um só coração)

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Hon Sha Ze Sho Nen



Hon Sha Ze Sho Nen é a quebra do tempo e do espaço.

Ele acaba com a ilusão promovida por Malkut (Terra), a ilusão de que estamos separados do resto do Universo, e é justamente por isso que ele consegue quebrar o tempo e o espaço, pois eles simplesmente não existem. Na verdade, analisando profundamente, ele não quebra nada, apenas nos retira da Matrix, pois Hon Sha Ze Sho Nen é também um portal.

Hon Sha Ze Sho Nen é o símbolo mais humano do Reiki.

Ele emana um carinho e um amor incondicional.

Trabalha o corpo mental, acalmando-o e serve ainda para o trabalho com o tempo e a quebra do mesmo, por isso, ele acaba sendo um portal para o presente, passado e futuro.

É extremamente especial para o trabalho de cura à distância, com força poderosíssima.

Hon Sha Ze Sho Nen promove o realinhamento dos chakras bem como a ativação de todos eles, fazendo com que as rodas girem em total harmonia com o Kosmos. Assim ele acaba sendo um sinônimo de saúde perfeita!

Hon Sha Ze Sho Nen trabalha o corpo por inteiro, suas glândulas endócrinas, bem como todos os chakras.

DECODIFICAÇÃO DO SÍMBOLO:

1, 2, 3, 4, 5 – Representa a cabeça, trabalha toda ela, abrindo os chakras coronário e frontal (posterior e anterior). Ativa as glândulas pineal e hipófise.

6, 7 – Corresponde à ponte, ou garganta. Ativa as glândulas tireóide e para-tireóide. Estimula o chakra laríngeo, ajuda na manifestação da abundância na Terra, como a saúde por exemplo e outros desejados.

8, 9, 10, 11 – Correspondendo ao centro do peito, ativa a glândula timo e abrindo o chakra cardíaco. Lembre-se que sem Amor Incondicional a Energia Universal continua neutra; ela deve ser magnetizada com Amor e isso ocorre no coração humano.

12, 13, 14, 15, 16 – Aqui nós temos a correspondência com o ventre, ou seja, o fígado, o pâncreas e o baço, ou o plexo solar com o chakra do plexo. Promove a ativação destas glândulas, bem como a abertura do chakra umbilical. Também promove a ativação e regula as glândulas supra-renais.

18, 19 – Este é o cordão umbilical. Nossa ligação com o mundo material e espiritual. Nosso fio de ouro.

20, 21, 22 – Aqui nós temos a Sagrada Serpente da Kundalini, bem como os chakras sexual e raiz. Nesta parte do símbolo ocorre a ativação das glândulas sexuais (gônadas) e a harmonização do chakra raiz, que tem sua terminação no último osso da coluna, o cóx.

Este símbolo é um presente de Deus ao homem.

Use-o com muito amor e carinho.

Hon Sha Ze Sho Nen é tão especial, tão suave e tão forte que não há muito o que falar dele. Seus atributos só podem ser sentidos...

Se você notar a disposição das figuras em seu desenho, vai perceber que ele tem uma correspondência muito forte com o Pentagrama, pois Hon Sha Ze Sho Nen também representa o ser humano de braços e pernas abertas para o Mundo, como Leonardo da Vinci tão bem representou em seu “Homem Vitruviano”.

Não seria Hon Sha Ze Sho Nen uma versão extremamente antiga do Pentagrama...?

SEI HE KI



Continuando nosso trabalho sobre o Reiki, vamos falar sobre o Sagrado Símbolo Sei He Ki.

A paz, a harmonia, a serenidade e o equilíbrio são os atributos de Sei He Ki.

Utilizado para promover o reequilíbrio do Ser ou do ambiente. Ele também trabalha como um purificar e desintoxicante.

Sei He Ki significa “eu sou a chave”.

Fazendo uma análise “crua” do desenho que este símbolo nos apresenta, podemos ver nele um dragão. Sim, é a boca do dragão com suas narinas escancaradas.

Mas na verdade, este é o primeiro símbolo do Reiki que trabalha o corpo humano em toda sua extensão, harmonizando-o e abrindo os chakras:

1 – a parte 1 do desenho corresponde à cabeça e à glândula pineal, faz com que esta ultima seja ativada, restabelecendo a conexão com os reinos elevados. Esta parte do símbolo também promove a abertura dos chakras superiores para que a energia possa entrar livremente pela cabeça (para depois descer pela coluna, até o chakra raiz). Quando se trabalha com este símbolo, então, é normal sentir algumas dores na cabeça, pois ela está sendo “aberta”.

2 – após abertos os chakras superiores, Sei He Ki abre o chakra cardíaco, pois sem AMOR, não adianta a energia entrar pelo alto da cabeça, se não encontra uma fonte de Amor Incondicional para ser “magnetizada” antes de ser irradiada para o outro. Por isso que esta parte do desenho promove a abertura do CORAÇÃO e corresponde ao peito.

3 – o corpo humano tem três geradores poderosíssimos de energia: a cabeça, o coração e os órgãos sexuais – ou ainda, a glândula pineal, a glândula timo e as gônadas. Como estamos ligados à Terra e nossos corpos são construídos a partir de elementos da Terra, através de alimentos que vem dela, é preciso também abrir os chakras sexual e raiz, pois sem a energia Telúrica não pode haver manifestação no plano tridimensional.

Ou seja, primeiro abrimos os canais na cabeça para permitir a entrada da energia (1), depois magnetizamos esta energia que ainda está neutra com Amor Incondicional (2) e depois buscamos e energia da Mãe Terra para MANIFESTAR a cura no plano tridimensional.

Por isto que a parte 3 do desenho promove a abertura dos dois primeiros chakras ao mesmo tempo que os harmoniza.

As partes 1, 2 e 3 do desenho corresponde à frente do corpo, por onde as energias entram e onde ocorre a percepção do mundo externo.

Já a parte 4 do desenho corresponde às costas, a parte de traz do corpo, pois após promover a abertura dos chakras na frente do corpo e no alto da cabeça, devemos harmonizar os chakras anteriores do corpo, para permitir que a energia que entrou e foi trabalhada, possa agora sair limpa e harmonizada com a intenção de cura.

Toda a energia entra pelos chakras posteriores (na frente do corpo) e sai pelos chakras anteriores (atrás do corpo), com exceção do coronário e do raiz, claro.

Portanto, esta parte 4 do desenho harmoniza, alinha e abre os chakras das costas para completar a harmonização do indivíduo que está sendo trabalhado ou do ambiente. Por isso que você pode visualizar o corpo humano de perfil neste desenho...

Apenas como nota de curiosidade, o elemental deste símbolo é extremamente fofo e carinhoso, como uma criança meiga que gosta de ser embalada com muita ternura.

Lembre-se que todos os símbolos são Seres que assumiram estas formas matemáticas para ajudar o homem em seu caminho evolutivo.

Cho Ku Rei


Vamos falar sobre o Reiki.

A energia que conhecemos como Reiki é simplesmente o prana que está no ar ao seu redor, portanto você já tem acesso a essa energia sem estar “sintonizado”, bastando apenas para isso abrir os canais de energia do seu corpo para perceber a energia Prana ou Reiki conscientemente. Especialmente os canais da coluna vertebral.

A origem do Reiki está no Tantra.

Descobriu-se que havia uma energia a mais na Terra quando os antigos tibetanos, anteriores a Jesus e Sidarta começaram a trabalhar com os princípios do Tantra.

Foi a prática do Tantra que levou à descoberta do que venho a ser conhecido como Reiki.

O Cho Ku Rei tem de ser o primeiro símbolo, pois sem os Chakras de ligação com a Terra estarem ativados, fica muito difícil trabalhar com o Reiki, “que vem do Céu e da Terra”. Por isso ele trabalha tão intensamente a Kundalini e as energia sexuais, tornando a energia sexual e sua prática ainda mais sagradas por que através delas, você consegue trabalhar mais intensamente a cura. Jesus foi levado para a Índia ainda jovem e lá foi iniciado no Tantra e conhecia a energia Reiki, por isso promoveu as curas que conhecemos hoje. Justamente por isso que o Cho Ku Rei, o primeiso símbolo, trabalha os dois Chakras inferiores, o raiz e o sexual, pois ele desperta a Kundalini, abrindo os canais da coluna a partir do osso sacro, e é justamente por isso também que hoje estou colocando o Cho Ku Rei aqui, pois ele demonstra bem isso:

1 – a primeira linha, acima/horizontal, represente o Chakra Coronário.

2 – a linha vertical representa a coluna vertebral, cujos canais energéticos devem ser abertos para a Kundalini ascender até a Coroa e

3 – os três círculos representam a própria Kundalini, que vive adormecida na região Sacra (osso sacro = sagrado) em três voltas e meia, como no Cho Ku Rei.

Ou Seja,

Quando você desenha o Cho Ku Rei, você começa pela cabeça, desce pela coluna e faz as três voltas na região sacra. Assim, a Kundalini sobe fazendo o caminho inverso ao do símbolo.

O Cho Ku Rei representa o Eu-Crístico de cada ser. Quando você visualiza ele em outro Ser, você está aceitando a presença Crística deste outro Ser em sua vida.

Uma semana antes de eu ser sintonizado no Reiki, tentava trabalhar com outros símbolos com os quais sempre trabalho, mas não conseguia, apenas o Cho Ku Rei aparecia para mim. Depois de um tempo tornou-se óbvio o por que disso: sem aceitar a divindade no outro não há como realizar a cura em si e no outro. Isto chama-se Amor Incondicional, como Jesus nos ensinou.

Lembre-se que Tantra, Yoga e Reiki são sinônimos, são uma única e mesma ciência, tendo sido separadas muito recentemente se levarmos em consideração a história da Índia e do Tibeth, uns 2.000 ou 2.500 anos atrás, pouco mais que isso talvez.