sábado, 26 de dezembro de 2009

Afra - Mestre Ascenso Patrocinador da Raça Negra




Há muito tempo, Afra ofereceu a Deus seu nome e prestigio, com o intuito de patrocinar um vasto continente e um povo poderoso. Esse continente é a África.

Afra foi o primeiro membro da raça negra a fazer a ascensão. Ele retornou para Deus, reunindo-se com a chama ao final de uma vida de devoção e serviço. Quando ascendeu, pediu para ser conhecido simplesmente como “um irmão” – frater em latim. Assim, “um frater” tornou-se a palavra “Afra”.

O continente africano recebeu o seu nome – Afra. Ele é o patrono da África e também da raça negra. Há muito tempo, a rapa fazia parte do que então era conhecido como as raças azul ou violeta – porque sua pele tem um tom sutilmente azul ou violeta. Essas almas viviam em uma civilização espiritualmente avançada que existiu no continente africano.

Afra viveu há 500 mil anos em uma antiga civilização que existiu no continente à qual hoje chamamos de África. Naquela época, o povo daquela terra havia chegado a uma encruzilhada. Anjos caídos e forças das trevas invadiram o planeta Terra e estavam separando as pessoas, colocando irmãos contra irmãos.

Percebendo a situação difícil de seu povo, Afra encarnou entre ele para procurar salvá-lo. Primeiro, tentou descobrir qual o traço de caráter que lhe faltava, que ele percebia ser seu tendão de Aquiles. Ele identificou o ponto de vulnerabilidade como a sua falta de fraternidade: eles seguiam o exemplo de Caim, em vez do exemplo de Abel.

Afra sabia que muitas pessoas do seu povo haviam perdido a chama trina, assim como muitas pessoas hoje a estão perdendo pela expressão da raiva e da discórdia. Ele bem sabia que, para reacender essa chama, eles precisariam seguir a senda da fraternidade. Precisariam cuidar uns dos outros de forma totalmente caridosa, com profundo amor originado no Espírito Santo, como um raio gerado diretamente do coração de Deus. E a única forma de conseguir ensiná-los a ser um irmão para com seu próximo foi ser ele mesmo um irmão para todos.

E foi o que fez. Por ser esse exemplo, ele foi crucificado pelo seu próprio povo. Infelizmente, é o que freqüentemente acontece no mundo – o irmão não reconhece o próprio irmão. Pelo contrario, as pessoas se determinam a destruir o exemplo da senda de cristicidade e, por isso, as pessoas procuraram destruí-lo.

Afra foi o Cristo em meio ao seu povo, mas eles não o conheceram. Estavam cegos pela ânsia de poder, buscavam o poder humano e o poder dos anjos caídos.

Rejeitado por seu povo, Afra saiu de cena. Voltou ao coração de Deus no ritual da ascensão, tornando-se o mestre ascenso que hoje conhecemos simplesmente como Afra, nosso irmão da luz.

Na união da fraternidade, todos os povos reunidos, não importando a sua raça ou origem, podem afirmar junto com o mestre Afra:

Afirmação para a Fraternidade

Eu caminho nas pegadas de Afra
EU SOU irmão e Irma de todos
Eu conforto, eu consolo
EU SOU verdadeiro para comigo mesmo e para com o meu Deus
Eu trago a honra de Deus no meu coração
Eu entro na união mística com o Espírito Santo
EU SOU um com o Príncipe da Paz
Caminharei no Espírito deste dia em diante
Porque este é o dia da minha vitoria
Esta é a minha hora e o poder da luz
Eu levarei o meu povo ate o trono da gloria
Receba-me agora, ó Deus!

Titulo: Afra – O Mestre Ascenso patrocinador da raça negra
Autor: Elizabeth Clare-Prophet
Páginas: 70
Editora: Summit Lighthouse do Brasil
ISBN: 8587555251

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Trechos do livro - O ANTIGO SEGREDO DA FLOR DA VIDA


Trechos do livro
O ANTIGO SEGREDO DA FLOR DA VIDA
Por Drunvalo Melchizedek




Novas fontes de energia para o planeta


Desde a época de Tesla, os governos não permitem que se divulgue o conhecimento do ponto zero. Por que? Tesla queria oferecer de graça energia ilimitada para o mundo, que ele sabia que viria da tecnologia do ponto zero. No entanto, J. P. Morgan, que possuía muitas minas de cobre, não queria que a eletricidade fosse de graça. Ao contrario, ele queria forçar a eletricidade a passar pelos fios de cobre de modo que pudesse medi-la, cobrar do publico e ganhar e ganhar dinheiro. Tesla foi barrado e desde essa época o mundo tem sido controlado.

Desde aquele momento na década de 1940, toda pessoa que pesquisasse a tecnologia do ponto zero e falasse publicamente sobre o assunto era morta ou desaparecia – até bem recentemente. Em 1997, uma empresa de vídeo chamada lightworks reuniu secretamente alguns desses cientistas e filmou seus trabalhos.

Num vídeo, contaram a historia do que aconteceu desde a década de 1940 e mostraram modelos de invenções funcionando perfeitamente. Mostraram maquinas que, depois de ligadas, produziam mais eletricidade do que precisavam para funcionar. Mostraram baterias que nunca precisavam ser carregadas. Mostraram como um motor comum a gasolina pode ser convertido para funcionar com água com mais potencia do que a gasolina. Mostraram painéis que produzem água fervente indeterminadamente desde que a temperatura esteja acima de -4 graus Celsius. Mostraram muitas outras invenções cientificas consideradas impossíveis pelos padrões atuais. Depois que Lightworks terminou o trabalho, em um único dia o vídeo foi publicado e as informações postas em um website (Fre Energy: The Race to Zero Point”, um vídeo de 105 minutos da Lightworks - http://video.google.com/videoplay?docid=-7365305906535911834#). Isso forçou o mundo a mudar de direção. Duas semanas depois, tanto o Japão quanto a Inglaterra anunciaram que estavam bem próximos de resolver o problema da fusão a frio. O mundo começou a mudar.

Em 13 de fevereiro de 1998, a Alemanha patenteou mundialmente um gerador de energia livre baseado no carbono, uma folha fina de material que produz 400 watts de eletricidade indefinidamente. Isso significa que todos os aparelhos pequenos, como computadores, secadores de cabelo, liquidificadores, lanternas, etc., não precisarão ser ligados à rede de energia. É o fim do estilo antigo e o nascimento da energia livre ilimitada.


A ESFINGE E A NAVE DE GUERRA DA TERRA


A Esfinge não fica muito distante da grande Pirâmide. De acordo com A Tábua de Esmeralda e Thot, a Esfinge é muito, muito mais velha do que os 10 mil a 15 mil anos estimados por John Anthony West. Um fator que muitos pesquisadores atuais tem deixado de considerar é que a Esfinge esteve sob a areia durante a maior parte da sua existência recente. Na verdade, quando Napoleão avistou a Esfinge, nem sequer sabia que ela estava lá porque tudo o que viu foi a cabeça dela. Ela estava completamente enterrada, e permaneceu enterrada por grande parte das ultimas centenas de anos pelo menos. Levando em consideração esse fator, que poderia ser muito importante, o desgaste causado pela chuva e pelo vento precisaria atuar por muito mais tempo do que se supõe atualmente.

De acordo com Thot, a Esfinge remonta a pelo menos 5,5 milhões de anos. Imagino que isso acabará vindo à tona, porque ele nunca se enganou a respeito de nada. Até mesmo John Anthony West suspeita secretamente que ela é muito mais velha do que 10 mil a 15 mil anos. Ele não estava preocupado em fazer especulações sobre os milhões de anos; ele simplesmente queria que ela fosse mais antiga que o limite de 6 mil anos, porque isso romperia a nossa historia da terra aceita até então. Ele e a sua equipe já conseguiram isso, e depois, creio eu, tentarão recuar a data à medida que tiverem mais evidencias.

De acordo com Thot, quase dois mil metros abaixo da Esfinge existe um aposento redondo com piso com piso plano e teto plano. Dentro desse aposento existe o objeto sintético mais antigo do mundo – mais velho do que qualquer objeto material construído existente na Terra. De acordo com Thot, embora nem ele mesmo possa provar, esse objeto remonta a 500 milhões de anos quando começou “aquilo que levou a vida humana”. O objeto tem o tamanho de dois quarteirões; é redondo como um disco e é plano em cima e embaixo. O que há de incomum nele é que seu revestimento tem apenas de três a cinco átomos de espessura. As suas superfícies superior e inferior tem um determinado padrão que reproduz parte da flor da vida.

O padrão em si tem cinco átomos de espessura; por toda a parte restante ele tem apenas três átomos de espessura. E é transparente – pode-se ver perfeitamente através dele – quase como se não existisse. Isso é uma nave, mas não tem motores nem uma forma visível de energia. Muito embora a interpretação de Doreal de A Tábua de Esmeralda afirme que essa nave tem motores atômicos dentro dela, de acordo com Thot ela não tem. Doreal traduziu A Tábua de Esmeralda em Yucatán em 1925, e não conseguiu entender a explicação sobre como a nave obtinha sua força propulsora. A idéia de motores atômicos foi a idéia mais avançada que ele pode conceber para uma fonte de energia. Mas ela é na verdade propelida por pensamentos e sentimentos, e foi projetada para conectar-se ao próprio Mer-Ka-Bah de vocês e expandí-lo. Essa nave está conectada diretamente ao espírito da Terra, e em A Tábua de Esmeralda ela é chamada de nave de guerra. Era o protetor da Terra.

Toda vez que acontece uma tentativa de tomar o poder na Terra, por seres inferiores, aparece uma pessoa muito pura que descobre como passar para o próximo nível de consciência, depois encontra a nave e a eleva no ar. A Terra e o Sol se conectam com essa pessoa e lhe dão uma grande força, então tudo o que essa pessoa pensar e sentir acontece. É assim que essa aeronave é uma nave de guerra: sejam quais forem as raças que estejam tentando dominar a Terra, essa pessoa pensa em afastá-las – pensa numa situação que as força a partir. Isso mantém a continuidade do nosso processo evolutivo sem nenhum tipo de interferência ou influencia externa. Pelo menos isso é o que deveria acontecer.

No momento, não há duvida de que nos temos sido ameaçados. Aquela pessoa pura apareceu, e aquele evento já aconteceu aqui na Terra. É por isso que os Cinzentos estão partindo. Os problemas que eles estão tendo são causados por uma única mulher – uma mulher de 23 anos do Peru (ela estava com 23 anos em 1989 quando fez isso). Ela realizou o primeiro processo ascensional para a nova rede e se conectou com ela, conectou-se com a Terra, encontrou a nave e elevou-a no ar. Primeiro ela fez algumas conexões básicas que precisavam ser feitas com cristais sobre a Terra, depois executou a programação que precisou ser recalculada. A coisa imediatamente posterior que ela fez foi pensar que os Cinzentos e outros relacionados com essa tentativa de tomada do controle da Terra começariam a adoecer se permanecessem aqui, e não haveria cura.

Dentro de um mês todos os cinzentos começaram a ficar doentes, e todo o processo que ela visualizara começou a acontecer. Os cinzentos foram forçados a deixar a Terra imediatamente. As suas bases foram abandonadas, e eles foram forçados a alterar os seus planos. A presença de todo aquele exercito de seres do espaço agora foi reduzida a praticamente nada, tudo por causa de uma frágil mas santa mulher. É impressionante.

Fonte: Livro O ANTIGO SEGREDO DA FLOR DA VIDA de Drunvalo Melchizedek, Ed. Pensamento.